ERP e PDV
Qual relação entre eles?



Na venda de sistemas para automação comercial é muito comum nos depararmos com siglas conhecidas, outras novas e até expressões estrangeiras. Em algumas situações diferentes palavras podem significar a mesma coisa ou parte de algo maior.

Mas você sabe a relação entre sistema ERP e PDV?

Neste post vamos abordar, de forma simples, como o Ponto de Venda se encaixa no contexto de um ERP.

ERP (Enterprise Resource Planning)

O ERP é um sistema para auxiliar no planejamento e gestão de todos os recursos de uma empresa. São responsáveis por automatizar tarefas e integrar informações entre todas as áreas do negócio. Com a informação obtida através do cruzamento de dados inseridos no sistema, é possível tomar decisões estratégicas que vão desde redução de custos até o aumento da produtividade de um negócio.

Pode ser usado por indústrias, na administração pública, em e-commerces, empresas de prestação de serviços e comércios varejistas, por exemplo.

Geralmente, um ERP possui módulos específicos, destinados aos diferentes setores, como administrativo, comercial, financeiro, estoque etc.


Uma vez que os módulos e a base de dados "conversam", torna-se mais fácil e confiável a comunicação entre os setores da empresa. Assim, um único sistema é capaz de informar aos responsáveis pelo estoque quais produtos precisam estar no próximo pedido aos fornecedores, ao setor financeiro quais são as contas a pagar e receber de um período, enquanto auxilia a equipe comercial no acompanhamento de clientes e vendas e apresenta ao gestor da empresa relatórios importantes para a tomada de decisão.

Entre as vantagens da implementação de um ERP, podemos citar:
  • Unificar a informação melhorando a gestão e os resultados.
  • Automatizar processos rotineiros, muitas vezes manuais e onerosos.
  • Organizar o Financeiro da empresa.
  • Controle Fiscal seguindo obrigatoriedades e apuração de tributos. Sistemas homologados e com comunicação com órgãos fiscais evitam erros e emissão indevida de documentos contra o CNPJ da empresa.
  • Integridade dos dados, uma vez que mitiga a redundância de informações.
  • Segurança com Backup seja localmente ou em nuvem.
  • Controlar usuários de forma que cada um tenha acesso somente àquilo que é pertinente à sua função.
  • Acompanhamento de cada etapa de um produto, desde a entrada dos insumos até a sua comercialização.
  • Visualizar relatórios que ajudarão na tomada de decisão.

Um ERP pode ser mais enxuto ou mais robusto e o que determina qual é adequado para cada empresa é a necessidade específica de cada uma em termos de controle e gestão.

Apesar de parecer que ele é apenas para grandes empresas, um ERP também pode auxiliar aquele empreendedor que assume todas as tarefas dentro da sua própria empresa. Seja com cálculos de tributos, otimização de rotinas, relatórios ou qualquer outro dos inúmeros recursos, o ERP pode reduzir a necessidade de mão de obra e o desperdício de tempo.

Na prática, podemos dizer que alguns benefícios de um ERP para um pequeno comércio são:
  • Cadastrar produtos e suas variações.
  • Dar entrada na Nota Fiscal emitida pelo fornecedor.
  • Manter um cadastro completo de clientes, com histórico de compras, preferências e crediários.
  • Conferir disponibilidade de produtos no estoque, bem como as sugestões de compras que o sistema aponta.
  • Acompanhar relatórios de evolução de vendas.
  • Saber quais produtos tem mais ou menos saídas.
  • Comunicação entre o sistema da sede e das filiais.
  • Exportar informações para o responsável contábil.
  • Proporcionar diversas formas de parcelamento e pagamento.
  • Emitir comprovantes das vendas.



Além disso, ERPs podem se comunicar com equipamentos físicos, como leitores de código de barras, balanças, impressoras etc. E também com sistemas de serviços externos como SEFAZ, iFood, instituições financeiras, Correios, seja através de uma API (Interface de Programação de Aplicações) ou não.

As possibilidades são muitas, inclusive a de uso de sistemas auxiliares para inclusão e envio de dados, vendas e gestão descentralizada. Como é o caso dos sistemas integrados da Cervantes:



PDV (Ponto de Venda)

Um Ponto de Venda de forma geral, é todo o ambiente onde marcas ou vendedores expõem seus produtos e serviços aos consumidores, seja ele uma loja, um site de e-commerce, um food truck, uma vending machine ou até mesmo um totem de autoatendimento.

Dentro de um sistema para automação comercial, a expressão PDV pode se referir à "tela" onde são incluídos os produtos que o cliente irá pagar e levar. Esta tela também é comumente chamada de "Frente de Caixa" ou somente "Caixa" e pode ser um dos módulos de um ERP. Já os demais módulos de gestão formam a "retaguarda" do sistema.

O PDV do sistema, quando integrado a um ERP, permite consultar informações de outros setores, como por exemplo os "produtos no estoque", "disponibilidade em outras lojas", "preços promocionais" e o "cadastro e pontuação de clientes", otimizando ainda mais a gestão de produtos e clientes

Há também a comunicação com equipamentos que auxiliam a venda, como leitores de código de barras, balanças de checkout, gavetas de dinheiro e impressoras térmicas. Quando conectados a um PDV o tornam ainda mais completo.

No segmento de automação comercial, novas tecnologias surgem a todo o momento tornando o desenvolvimento e atualização de funcionalidades indispensáveis. Seja qual for o ramo, o PDV precisa ser intuitivo para novos usuários, rápido na realização das operações e o mais completo possível, beneficiando-se ao máximo da integração com outros módulos de um mesmo ERP.

Os sistemas para comércio e soluções integradas da Cervantes podem ajudar empresas de diversos segmentos e tamanhos a melhorarem a gestão de seu negócio. Pensamos sempre em soluções que ajudam o comerciante e que permitem que nossos parceiros tenham um portfólio de produtos atuais e que atendam o que seus clientes mais buscam.

Até mais!
Marketing Cervantes

(27/06/2022)
9 de 14 pessoas acharam isso útill.   




Cervantes Tecnologia